Área Restrita Novo


Segmentar a empresa e dividi-la, é errado?

Não, ninguém é obrigado a trabalhar todas as frentes do seu negócio em uma única empresa, até porque muitos segmentos são conflitantes em seus benefícios e deveres.

Mas não vão me descaracterizar e juntar todas as empresas, e eu ser autuado, hein!

Se houver de fato a segmentação, cada empresa deverá ter vida própria: conta corrente; contabilidade específica; seus próprios pagamentos e receitas. Enfim, cada empresa deverá, de fato, ser uma empresa independente, autônoma e capaz.

Na administração brasileira, ter um único CNPJ raramente é bom, pois a exposição da empresa é grande, ela, de forma geral, torna-se frágil, enquanto que, ao segmentar, subdividem-se também as tarefas e funções. O empresário deve, inclusive, fazer a gestão de cada segmento de acordo com suas particularidades e necessidades. Muitas vezes a empresa sofre por ficar amarrada, por ter que agir igual com todos, inclusive porque as características dos colaboradores de cada segmento são distintas. A liberdade de segmentar é boa para todos, inclusive para o mercado, que se regulamenta a partir de características particulares, e não generalizadas.

Segmentar significa dividir a empresa em partes que possam se manter e se sustentar de forma independente, de forma real. Por exemplo, você não precisa ser o fabricante de maquiagem e de estojo de maquiagem, podendo ser uma empresa para cada coisa, desde que elas tenham vidas distintas, pois isto é realmente uma exigência.

Não poderá haver confusão patrimonial, para que o empresário não tenha problemas. Portanto, não deixe isso acontecer, mesmo que seja por desorganização ou descuido, porque aí configura-se como uma estratégia para burlar o fisco (ou algo assim), e não uma estratégia de negócio.

Se uma empresa pagar as contas de outra, mantiver as contabilidades misturadas, efetuar transferências e remessas financeiras sem justificativa lógica do negócio em si, ser contratante e contratada exclusiva da outra, tudo isso transparecerá uma dependência financeira da outra e, sendo assim, é muito provável que a personalidade jurídica de uma deixe de existir e a que remanescer seja apurada, investigada e punida, entre outras consequências que podem surgir, como a complicação criminal para sócios e responsáveis.

É bom e é importante segmentar, pois cada ramo poderá ter a sua precificação, sua estratégia de marketing, sua gestão de pessoas, o que poderá, a meu ver, tornar o negócio mais forte. As administrações também devem ser isoladas e os gestores atender cada uma com as suas particularidades.

O motivo da segmentação deverá ser, de fato, o de dividir para crescer ou para melhor gerir as empresas. Neste caso, deve-se apurar corretamente os impostos, encargos e tributos de toda a operação, em todas as etapas exigidas por lei.

Texto: Luciana Ribeiro




Luciana Ribeiro


   
  Publicações anteriores
Brasil é campeão em diversidade de alíquotas
A Folha de S.Paulo publicou no último dia 4 uma reportagem sobre a carga tributária incidente no consumo no Brasil e comparou-a com alguns países.

 
Proposta da Fazenda para aumentar prazo para seguro-desemprego segue para Presidência
O Ministério da Fazenda encaminhou à Presidência, conforme apurou reportagem da Folha de S.Paulo publicada no último domingo (4), projeto que eleva o período mínimo de trabalho para obtenção do seguro-desemprego e d

 
Confaz altera prazo para entrega de FCI
O Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz) publicou no Diário Oficial de 26 de julho o Convênio ICMS 88/2013, que altera o Convênio 38/2013.

 
Dilma sanciona MP que desonera folha até 2014
A presidente Dilma Rousseff sancionou, no último dia 22, a Medida Provisória 610/2013. O texto enviado pelo Congresso, no entanto, sofreu vários vetos. A Lei da Seca, como está sendo chamada, por socorrer agricultores prejudicados pela

 
Projeto de lei quer mudar regra sobre transação imobiliária
O Projeto de Lei nº 285/13, apresentado no Senado este mês, modifica as regras da lei que concede isenção do Imposto de Renda sobre o ganho de capital em transações de imóveis residenciais.

 
Comissão aprova ampliação de parcelamento de débitos do Simples
A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados aprovou no último dia 2 proposta que amplia o período sobre o qual as empresas optantes pelo Simples Nacional podem parcelar seus débitos.

 
SP perdoa débitos de ICMS por descumprimento de obrigações acessórias
O governo do Estado de São Paulo publicou, no último dia 4, o Decreto nº 59.339, que perdoa os débitos de ICMS por descumprimento das obrigações acessórias instituídas pelo Ajuste Sinief nº 19/2012 do Conselho

 
Câmara acaba com multa sobre demissão sem justa causa
A Câmara dos Deputados aprovou na última quarta-feira (3) o projeto que acaba com a multa adicional de 10% do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) nos casos de demissões sem justa causa.

 
SP estabelece normas para adesão ao Programa Especial de Parcelamento
O governo do Estado de São Paulo publicou no último dia 25 a Resolução Conjunta da Secretaria da Fazenda e da Procuradoria-Geral do Estado nº 3, que trata da inclusão de saldo remanescente de outros parcelamentos no Programa

 
Empresas que não arquivam documentos na Junta Comercial podem ser dadas como inativas
Todas as sociedades que não procederem a qualquer arquivamento junto ao Registro do Comércio no prazo de dez anos devem comunicar à Junta Comercial a intenção de manter seu funcionamento.

 
  Em Exibição: 191-200
    Página: 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 45 46 47 48 49 50 51 52 53 54 55 56 57 58 59 60 61 62 63 64 65 66 67 68 69
 
 
Rua Marapuama, 107 - Alto da Lapa - São Paulo
Telefone: 11 - 3835-7679
contato@zloti.com.br