Área Restrita Novo


Segmentar a empresa e dividi-la, é errado?

Não, ninguém é obrigado a trabalhar todas as frentes do seu negócio em uma única empresa, até porque muitos segmentos são conflitantes em seus benefícios e deveres.

Mas não vão me descaracterizar e juntar todas as empresas, e eu ser autuado, hein!

Se houver de fato a segmentação, cada empresa deverá ter vida própria: conta corrente; contabilidade específica; seus próprios pagamentos e receitas. Enfim, cada empresa deverá, de fato, ser uma empresa independente, autônoma e capaz.

Na administração brasileira, ter um único CNPJ raramente é bom, pois a exposição da empresa é grande, ela, de forma geral, torna-se frágil, enquanto que, ao segmentar, subdividem-se também as tarefas e funções. O empresário deve, inclusive, fazer a gestão de cada segmento de acordo com suas particularidades e necessidades. Muitas vezes a empresa sofre por ficar amarrada, por ter que agir igual com todos, inclusive porque as características dos colaboradores de cada segmento são distintas. A liberdade de segmentar é boa para todos, inclusive para o mercado, que se regulamenta a partir de características particulares, e não generalizadas.

Segmentar significa dividir a empresa em partes que possam se manter e se sustentar de forma independente, de forma real. Por exemplo, você não precisa ser o fabricante de maquiagem e de estojo de maquiagem, podendo ser uma empresa para cada coisa, desde que elas tenham vidas distintas, pois isto é realmente uma exigência.

Não poderá haver confusão patrimonial, para que o empresário não tenha problemas. Portanto, não deixe isso acontecer, mesmo que seja por desorganização ou descuido, porque aí configura-se como uma estratégia para burlar o fisco (ou algo assim), e não uma estratégia de negócio.

Se uma empresa pagar as contas de outra, mantiver as contabilidades misturadas, efetuar transferências e remessas financeiras sem justificativa lógica do negócio em si, ser contratante e contratada exclusiva da outra, tudo isso transparecerá uma dependência financeira da outra e, sendo assim, é muito provável que a personalidade jurídica de uma deixe de existir e a que remanescer seja apurada, investigada e punida, entre outras consequências que podem surgir, como a complicação criminal para sócios e responsáveis.

É bom e é importante segmentar, pois cada ramo poderá ter a sua precificação, sua estratégia de marketing, sua gestão de pessoas, o que poderá, a meu ver, tornar o negócio mais forte. As administrações também devem ser isoladas e os gestores atender cada uma com as suas particularidades.

O motivo da segmentação deverá ser, de fato, o de dividir para crescer ou para melhor gerir as empresas. Neste caso, deve-se apurar corretamente os impostos, encargos e tributos de toda a operação, em todas as etapas exigidas por lei.

Texto: Luciana Ribeiro




Luciana Ribeiro


   
  Publicações anteriores
Mais considerações sobre a nova lei de demonstrações financeiras
Novas normas valem para empresas de capital aberto e fechado

 
Receita estabelece alíquota de 15% da CSLL para maio
Veja como ficam os cálculos da CSLL com a nova norma

 
Advogados tributaristas apresentam sugestões a empresas
Medidas anunciadas pelo Governo podem ser aliviadas com replanejamento e adaptações

 
Comunicado urgente: Lei das Sociedades por ações
CVM convoca empresários, contadores e auditores para discutir a aplicação da lei

 
Empresas sob regime do lucro real começam a usar ECD
Obrigação é a partir de 1º de janeiro deste ano

 
Receita corrige em 4,5% nova tabela do IR
Faixa de isentos vai até R$ 1.372,81 mensais

 
Governo muda decreto sobre IOF
Operações de câmbio, concessão de crédito imobiliário e leasing estão entre as alterações

 
Data de vencimento para pagamento do Supersimples de fevereiro é alterada
Resolução não altera a data de pagamento referente ao período de apuração de dezembro

 
Começa inscrição para Supersimples
Micro e pequenas empresas já podem aderir ao sistema para o ano de 2008

 
Indústrias de bens e serviços terão mais dificuldade para se adaptar ao IFRS
Projeto de lei que aguarda votação pode incluir também empresas de grande porte

 
  Em Exibição: 581-590
    Página: 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 45 46 47 48 49 50 51 52 53 54 55 56 57 58 59 60 61 62 63 64 65 66 67 68 69
 
 
Rua Marapuama, 107 - Alto da Lapa - São Paulo
Telefone: 11 - 3835-7679
contato@zloti.com.br